O erro do Natal

Pronto! Chegou 24 de dezembro e as comemorações já se fazem certeiras entre as principais comunidades cristãs ocidentais. É um Feliz Natal pra cá, um Feliz Navidad pra lá, ou Merry Christmas. Mas o que faz dessa data um momento tão especial para ser tão amplamente comemorada nos principais países do globo, até mesmo entre aqueles que se dizem não-cristãos?

Claro que o que dizem se comemorar é o nascimento de Jesus Cristo, o Messias, o Redentor, aquele que veio à terra para nos livrar de nossos pecados e que morreu por nós na cruz para que se cumprissem as profecias dos antepassados dos judeus. No entanto, a principal data do calendário cristão é um erro grotesco, e nem por isso, a maioria dos cristãos deixam de acreditar que o 25 de dezembro é o dia em que Jesus nasceu em uma manjedoura em Belém.

O importante é que alguns cristãos (como eu) não creem e não celebram essa data, como a data do dia do nascimento de Jesus. Isso porque é lógico e se faz necessário que não se comemore erroneamente a data daquele que foi o personagem mais importante da história da humanidade. Já pensou se continuássemos a crer que alguns santos são tão poderosos como Jesus e que esses podiam nos livrar do mal, nos dá saúde e atender a todas as nossas necessidades? Já pensou se continuássemos a adorar imagens de gesso achando que dalí emanava poder e verdade?

Quando Martinho Lutero percebeu que era um erro tudo o que a Igreja Católica estava a fazer um mudança drástica no mapa religioso se fez. E graças a Deus que hoje, eu e você, pudemos ler de forma prazerosa a Bíblia, em nossa língua e da forma que quisermos. Isso nos deu mais liberdade e gozo em compreender a Palavra do Senhor. Sim, mas qual o erro do Natal?

Bem, é sabido através de estudos que a data de 25 de dezembro era uma data comemorada pelas religiões pagãs do Império Romano. Eles comemoravam o dia do Deus Sol Invencível, no qual eles comemoravam o solstício de inverno.

Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes um novo significado, e uma linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como “o sol de justiça” (Malaquias 4:2) e a “luz do mundo” (João 8:12) revelam a fé da Igreja n’Aquele que é Deus feito homem para nossa salvação.

As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o “nascimento do deus sol invencível” (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.

Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs. Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colônias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados. O Natal voltou a ser um grande feriado religioso, e ainda é em muitos países.

E no Brasil, assim como na maioria dos países capitalistas, a data se transformou novamente. Hoje é de longe a data de maior faturamento do comércio. Ou seja, se transformou em uma data de significado puramente consumista. Como as coisas mudam…

O que me deixa sem chão, às vezes, é quando um Pastor chega e diz que celebrará o Culto de Natal. Isso me dá calafrios, pois na minha santa ignorância, espero eu que um líder saiba diferenciar entre o certo e o errado, e isso, principalmente, quando diz respeito a fé cristã. Mas não posso mudar o mundo e dificilmente influenciar na tradição dos outros. No entanto estou tranquilo com minha fé e com a certeza de que meu Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro, e, dificilmente, estaria ele feliz com o erro grotesco da data de comemoração de seu nascimento, e, principalmente, com o rumo que tomou as comemorações natalinas!

 

Anúncios

Autor: Miguel Martins

contato, sugestões, críticas: miguelmartins27@gmail.com

Uma consideração sobre “O erro do Natal”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s